Microcontos II

<div class="at-above-post addthis_tool" data-url="http://paulofodra.com.br/2010/01/microcontos-ii/"></div>I. Preguei uma peça no meu coração involuntário: um prego enorme. Preso na tua porta, ele parou de doer. II. Limpou a navalha no lençol do motel e beijou de […]<!-- AddThis Advanced Settings above via filter on wp_trim_excerpt -->
<!-- AddThis Advanced Settings below via filter on wp_trim_excerpt -->
<!-- AddThis Advanced Settings generic via filter on wp_trim_excerpt -->
<!-- AddThis Share Buttons above via filter on wp_trim_excerpt -->
<!-- AddThis Share Buttons below via filter on wp_trim_excerpt -->
<div class="at-below-post addthis_tool" data-url="http://paulofodra.com.br/2010/01/microcontos-ii/"></div><!-- AddThis Share Buttons generic via filter on wp_trim_excerpt -->
<!-- AddThis Related Posts below via filter on wp_trim_excerpt -->
<div class="at-below-post-recommended addthis_tool" ></div><!-- AddThis Related Posts generic via filter on wp_trim_excerpt -->

Pequenas maldades

I.
Preguei uma peça no meu coração involuntário: um prego enorme. Preso na tua porta, ele parou de doer.

II.
Limpou a navalha no lençol do motel e beijou de novo os cabelos dela: a cada vez, fica mais difícil encontrar loiras de verdade…

III.
Entediada com a folha do caderno, rabiscou as paredes do apartamento. Quando o espaço acabou, pulou da janela e virou infinito.

IV.
“Bebeu até morrer!”, concluiu o perito na cena do crime. “Cachaça?”, perguntou o detetive. “Não. Groselha! Era diabético.”

V.
Arrancou, em fuga, com o carro. Um salto, baque surdo. Desceu pra ver. Era o seu passado. Deu marcha ré por cima. E partiu.

VI.
Enfarte do miocárdio, é o que dirão – pensou enquanto tombava. Ninguém saberá que seu coração explodiu mesmo de tristeza.

VII.
“Anjo é uma alma humana cujo primeiro suspiro coincidiu com o último”. Ele fechou o livro e sorriu: seu filho fora convocado no céu!

VIII.
Pegou um dos cacos de seu coração partido e degolou a infeliz. Ela deveria saber que amor de psicopata é mortal.

IX.
“Fui!”. Era tudo que estava escrito no bilhete do suicida. Ele nunca fora um homem de muitas palavras…

X.
Desfez o aviãozinho de papel que, vindo do outro lado da sala de aula, o acertara em cheio na cabeça. Reconheceu como seu o desenho interno. Um coração. Embaixo de onde escrevera “Toma, é teu!”, ela escreveu em letras miúdas: “Estou devolvendo. Não quero mais!”.

XI.
“Adivinha quem é?”, disse, cobrindo os olhos dela. A resposta veio rápida e segura. A dúvida, também: quem diabos é Murilo?

Related Posts with Thumbnails